sexta-feira, 3 de março de 2017

Land of Tears- Death Metal do Rio de Janeiro

Fala galera!! Estamos de volta depois desse pequeno período de férias e nosso retorno não poderia ser melhor. Vamos falar com a banda Land of Tears, Death Metal carioca. Let's go!


OPDM - Vamos começar falando do tão aclamado álbum “The Ancient Ages of Mankind”, um divisor de águas na carreira da banda. Lançado em 2014 pela Black Legion Prods. Ele foi aclamado tanto pelo público quanto pela critica. Como foi para vocês a repercussão desse disco?

Land of Tears - Esse álbum foi até o presente momento nosso melhor lançamento, ele foi nosso cartão de visitas no exterior, possibilitou e abriu portas para banda, onde jamais esperávamos, ao ponto de tocarmos e o público conhecer o set do albúm , a história da banda , etc. Eu mesmo me surpreendo com o resultado , pelo fato de ser tão denso , pesado e melódico ao mesmo tempo.

OPDM - Se tratando de Death Metal principalmente dentro do Underground carioca, a banda passou por muitos perrengues até chegar onde estão hoje, e ainda falta muito caminho pra trilharem, mas já é uma grande vitória poder fazer inúmeros shows fora do país, conte-nos com foi a  emoção de excursionar pela Europa ao lado de nomes como Nervosa e Ceremony?

Land of Tears - Após o lançamento do "The Ancient...", nós já tínhamos um cronograma todo montado, que incluía a divulgação do mesmo, clip , agenda de shows e finalizaríamos com a tour, ou seja foi tudo dentro do planejado , agora a emoção e a experiência de tocar para outro público que não o nosso não tem como prever , a resposta do público  foi excepcional, tanto  antes,  durante e  depois dos shows você tem o feedback da galera que é fanática pelo Metal Brazuca, seja por curiosidade, seja por que já conhecem nossas bandas, você percebe depois de 16 anos de banda que está no caminho certo , fazendo o que curte de verdade. O tratamento das bandas com quem tocamos e staff dos locais foi surreal, na verdade tratamento que qualquer grande nome do Metal recebe no Brasil , la você percebe que não existe distinção no underground. Que isso sirva de aprendizado pra quem se mete a ser produtor de eventos aqui em casa.

OPDM - A banda possui planos de voltar a fazer turnês fora do Brasil?

Land of Tears - Sim temos planos para a próxima tour, assim que lançarmos o novo álbum que está em fase de composição, entrara no novo cronograma.
 
OPDM - O Land of Tears é uma das bandas mais extremas em termos de Death Metal no Rio de Janeiro na atualidade. Mas no inicio da carreira, vocês tinham influências de diferentes estilos como o Doom Metal. Como ocorreu essa mudança ao longo da carreira de vocês?

Land of Tears - Costumo dizer que sempre fomos uma banda Death Metal, nós utilizamos de outros recursos que com o passar do tempo percebemos que não iriam mais acompanhar o nível de peso que queríamos chegar nas composições, logo foi uma mudança natural, óbvio não se faz um omelete sem quebrar os ovos, infelizmente com essa mudança tivemos que dispensar nossa baking vocals e tecladista na época, mas continuamos sendo muito amigos e não esquecemos nunca de nossa história e eles assim como muitos outros membros fizeram parte dela.




OPDM - E não só como integrantes da banda mas como músicos, como vocês definiriam a evolução do Land of Tears desde a primeira demo “ Cannon Episcope” de 2002 até “The Ancient Ages of Mankind” lançado em 2014? Não só musicalmente mas é nítido até nas vestimentas ao vivo, vocês trazem uma ornamentação que antes não víamos. Essa atitude também propiciou para que a banda mostrasse o seu amadurecimento nos palcos?

Land of Tears - Sem dúvida, a evolução faz parte da natureza humana, não seria diferente nas artes, na música, a experiência só o tempo pode proporcionar , mas o profissionalismo vem de dentro , não de uma sala de aula, nesses anos tivemos nosso amadurecimento em todos os sentidos como indivíduos e músicos, todos acabam ganhando com isso e podemos colocar em prática na banda esse know-how que adquirimos com o passar dos anos. Musicalmente evoluímos, mas tenho certeza que se tivéssemos mais tempo para dedicar a música como profissão, coisa que no Brasil é praticamente impossível viver de música, poderíamos evoluir mais ainda, mas aprendi que nós oferecemos aos outros o que temos de melhor , logo dentro de um universo de possibilidades nós sempre iremos buscar ser os melhores de acordo com a capacidade operacional de cada um na banda, fazer o melhor feijão com arroz, é o melhor negócio.

OPDM - Como tem sido trabalhar com uma das produtoras que mais tem crescido no Brasil a Black Legion Prods.? E o que os fãs podem esperar do próximo trabalho do Land of Tears, e como está o processo de composição?

Land of Tears - Eu sempre digo nas entrevistas , Alex Chagas e o staff da Black Legion Rafael Azirio e companhia são amigos e parceiros, trabalhar com eles é fácil e ajudou muito nos passos que damos juntos. No momento estamos em fase de composição do novo albúm, que deverá ter de 10 a 11 faixas , ainda sem título no momento, nossa meta é lançar um material mais pesado que o ultimo.

OPDM - O clipe faixa título do álbum “The Ancient Ages of Mankind” é o primeiro da carreira da banda, como foi a experiência de gravar esse clipe? E como foi pra banda receber tantas criticas positivas em relação ao mesmo?

Land of Tears - Foi fruto de um trabalho feito por muitas mãos, dedicação, meses de preparação , dezenas de horas de gravação,  milhares de reais investidos num sonho no qual acredito , o resultado dessa obra espero que dure por muitos anos, o legado que você deixa é o que você faz e a importância que isso tem para as próximas gerações, espero que seja assistido por muitos anos. Ele sem dúvida foi nosso passaporte para a tour que fizemos 2016 pela Europa, foi a cereja do bolo do "THE ANCIENT AGES OF MANKIND"
 
OPDM - Pra fechar a entrevista gostaria de agradecer imensamente a honra de entrevistar uma das bandas que mais sou fã, e deixo aberto o espaço para que vocês possam deixar um recado para os fãs do Land of Tears.

Land of Tears - Obrigado Bia pelo espaço cedido a nós, desejamos sucesso a vocês , ficamos imensamente satisfeitos de poder dividir com o público um pouco de nossa história e dizer a quem acompanha nossa trajetória, que ainda temos muita lenha pra queimar, nos aguardem.


Discografia:

Cannon Episcopi -demo cd-2002

intro-The beginning-instrumental
Tormented Shadows
Canon Episcopi

Total Disgrace-demo cd-2003

Vinho
Abducted
Total Disgrace
The Winter's sadness

World of pain-Ep-2008-Freemind rec.

Land of Tears 
Canon Episcopi-regravação
World of Pain
The first time and the last one
 Eternal Suffering

The Ancient Ages of Mankind- cd-2014 -Black Legions prods.

Intro
The Colossus of Rhodes
Old Legends
Cerberus
The Ancient Ages of Mankind
Forbidden God
Mega Alexandros
Pentekontóros
Omega Legions


Links:



Land of Tears live in Gorinchen Netherlands: Land of Tears - Live 05/06/2016 PoGo Gorinchem



Assista ao clipe de "The Ancient Ages of Mankind"



É isso ai galera, ficamos por aqui com mais uma matéria, mais uma banda excelente para você. Curta nossa página, compartilhe para seus amigos e contribua com nosso trabalho e o trabalho das bandas. Forte abraço e até a semana que vem!!




Por Bia Coutinho

Bia Coutinho é uma desenhista, tatuadora e body piercing Carioca, de Duque de Caxias. Vocalista da banda Mysttica e atual baixista da banda Machine of War, Bia Coutinho é frequentadora da cena Metal Carioca desde a sua adolescência.




Nenhum comentário:

Postar um comentário